terça-feira, 22 de Maio de 2012

Joan Manuel Serrat



Tudo passa e tudo fica
porém o nosso é passar,
passar fazendo caminhos
caminhos sobre o mar

Nunca persegui a glória
nem deixar na memória
dos homens minha canção
eu amo os mundos sutis
leves e gentis,
como bolhas de sabão

Gosto de ver-los pintar-se
de sol e grená, voar
abaixo o céu azul, tremer
subitamente e quebrar-se…

Nunca persegui a glória

Caminhante, são tuas pegadas
o caminho e nada mais;
caminhante, não há caminho,
se faz caminho ao andar

Ao andar se faz caminho
e ao voltar a vista atrás
se vê a senda que nunca
se há de voltar a pisar

Caminhante não há caminho
senão há marcas no mar…

Faz algum tempo neste lugar
onde hoje os bosques se vestem de espinhos
se ouviu a voz de um poeta gritar
“Caminhante não há caminho,
se faz caminho ao andar”…

Golpe a golpe, verso a verso…

Morreu o poeta longe do lar
cobre-lhe o pó de um país vizinho.
Ao afastar-se lhe viram chorar
“Caminhante não há caminho,
se faz caminho ao andar…”

Golpe a golpe, verso a verso…

Quando o pintassilgo não pode cantar.
Quando o poeta é um peregrino.
Quando de nada nos serve rezar.
“Caminhante não há caminho,
se faz caminho ao andar…”

Golpe a golpe, verso a verso.

(Tradução de Maria Teresa Almeida Pina)

Biografia de António Machado
Nasceu em 26 de julho de 1875 em Sevilha e aos oito anos mudou-se para Madrid. Poeta e prosista, pertenceu ao movimento literário conhecido como “geração de 98″. Provavelmente, ainda é o poeta de sua época mais lido.

Em 1893 publicou seus primeiros escritos em prosa, enquanto que seus primeiros poemas apareceram em 1901. Em 1899, viajou à Paris, cidade que voltaria a visitar em 1902, ano em que conheceu Rubén Darío, que seria seu grande amigo por toda a vida. Em Madrid, por essa mesma época, conheceu Unamuno, Valle-Inclán, Juan Ramón Jimenez e outros destacados escritores com os quais manteve uma estreita amizade. Foi catedrático em francês, e se casou com Leonor Izquierdo, que morreu em 1912.

Em 1927 foi eleito membro da Real Academia Española. Durante os anos vinte e trinta, escreveu teatro em companhia de seu irmão, também poeta, Manuel, estreando várias obras entre as quais se destacam: La Lola se va a los puertos, de 1929 e La Duquesa de Benameji, de 1931. Quando estourou a Guerra Civil espanhola, estava em Madrid. Posteriormente mudou-se para Valencia e Barcelona, e em janeiro de 1939 exilou-se em Colliure, França, onde morreu em 22 de fevereiro do mesmo ano.

via
http://blogs.utopia.org.br/poesialatina/biografias/antonio-machado/

via
http://blogs.utopia.org.br/poesialatina/cantares-antonio-machado/

Sem comentários:

Enviar um comentário