quinta-feira, 22 de Março de 2012

Voo

“Tenho fulgurantes e extraordinárias recordações deste período. Até me espanta a clareza de algumas delas. Afigura-se-me hoje que esses acontecimentos ocorreram de tal modo que eu não me poderei deles esquecer nunca mais! Parecem-me feitos de propósito para serem recordados, como se pelos nossos cinco anos, muita da nossa vida futura estivesse em jogo, e o nosso modo de sentir e pensar, a nossa sensibilidade aí ficasse, definitivamente configurada. E que o resto da nossa vida seria inevitável comprovação desse facto. Para mim, foi por essa altura que comecei a ser EU, tal é por vezes a concordância de pontos de vista que esse eu pequenino aparenta ter com esse meu eu actual! E quando assim falo não me refiro em especial à história que se segue, mas a esse tempo em que a minha memória se encheu de brio e começou não só a guardar recordações como a senti-las como acontecimentos especiais”.

Teresa Beleza Vaz

(in O Voo das Levandeiras, Editorial 100, Janeiro de 2009, Gaia).

Sem comentários:

Enviar um comentário