quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011

Tidy Monster

World War was created by Tim Marchant for his final degree project whilst studying 3D Animation at the University Of Hertfordshire.

Tidy Monster - 3D Animation @ University Of Hertfordshire 2007 from Digital Animation Herts Uni UK on Vimeo.



http://vimeo.com/748521

Edgar Allen Poe

http://stufffromthelab.files.wordpress.com/2009/10/479px-edgar_allan_poe_2.jpg


"Edgar Allan Poe was born January 19, 1809 in Boston, where his mother had been employed as an actress. Elizabeth Arnold Poe died in Richmond on December 8, 1811, and Edgar was taken into the family of John Allan, a member of the firm of Ellis and Allan, tobacco-merchants.

Poe’s mother, Elizabeth Arnold Poe, died in Richmond on December 8, 1811.

After attending schools in England and Richmond, young Poe registered at the University of Virginia on February 14, 1826, the second session of the University. He lived in Room 13, West Range. He became an active member of the Jefferson Literary Society, and passed his courses with good grades at the end of the session in December. Mr. Allan failed to give him enough money for necessary expenses, and Poe made debts of which his so-called father did not approve. When Mr. Allan refused to let him return to the University, a quarrel ensued, and Poe was driven from the Allan home without money. Mr. Allan probably sent him a little money later, and Poe went to Boston. There he published a little volume of poetry, Tamerlane and Other Poems. It is such a rare book now that a single copy has sold for $200,000.00

Moldavia, Poe’s last home in Richmond located at Fifth and Main Streets. John Allan bought the house in 1825, and Edgar lived there before entering the University of Virginia in 1826.

In Boston on May 26, 1827, Poe enlisted in The United States Army as a private using the name Edgar A. Perry. After two years of service, during which he was promoted to the rank of Sergeant-major, he secured, with Mr. Allan’s aid, a discharge from the Army and went to Baltimore. He lived there with his aunt, Mrs. Maria Poe Clemm, on the small amounts of money sent by Mr. Allan until he received an appointment to the U.S. Military Academy at West Point.

Meanwhile, Poe published a second book of poetry in 1829: Al Aaraaf, Tamerlane and Minor Poems. After another quarrel with Allan (who had married a second wife in 1830), Poe no longer received aid from his foster father. Poe then took the only method of release from the Academy, and got himself dismissed on March 6, 1831.

Soon after Poe left West Point, a third volume appeared: Poems by Edgar Allan Poe, Second Edition. While living in Baltimore with his aunt, Mrs. Clemm, young Poe began writing prose tales. Five of these appeared in the Philadelphia Saturday Courier in 1832.

With the December issue of 1835, Poe began editing the Southern Literary Messenger for Thomas W. White in Richmond; he held this position until January, 1837. During this time, Poe married his young cousin, Virginia Clemm in Richmond on May 16, 1836.

Poe’s slashing reviews and sensational tales made him widely known as an author; however, he failed to find a publisher for a volume of burlesque tales, Tales of the Folio Club. Harpers did, however, print his book-length narrative, Arthur Gordon Pym in July of 1838.

Little is known about Poe’s life after he left the Messenger; however, in 1838 he went to Philadelphia where he lived for six years. He was an editor of Burton’s Gentleman’s Magazine from July, 1839 to June, 1840, and of Graham’s Magazine from April, 1841 to May, 1842. In April, 1844, with barely car fare for his family of three, [including his aunt, Virginia's mother, who lived with them], Poe went to New York where he found work on the New York Evening Mirror.

In 1840, Poe’s Tales of the Grotesque and Arabesque was published in two volumes in Philadelphia. In 1845, Poe became famous with the spectacular success of his poem “The Raven,” and in March of that year, he joined C. F. Briggs in an effort to publish The Broadway Journal. Also in 1845,Wiley and Putnam issued Tales by Edgar A. Poe and The Raven and Other Poems.

The year 1846 was a tragic one. Poe rented the little cottage at Fordham, where he lived the last three years of his life. The Broadway Journal failed, and Virginia became very ill and died on January 30, 1847. After his wife’s death, Poe perhaps yielded more often to a weakness for drink, which had beset him at intervals since early manhood. He was unable to take even a little alcohol without a change of personality, and any excess was accompanied by physical prostration. Throughout his life those illnesses had interfered with his success as an editor, and had given him a reputation for intemperateness that he scarcely deserved.

In his latter years, Poe was interested in several women. They included the poetess, Mrs. Sarah Helen Whitman, Mrs. Charles Richmond, and the widow, Mrs. Sarah Elmira Shelton, whom he had known in his boyhood as Miss Royster.

The circumstances of Poe’s death remain a mystery. After a visit to Norfolk and Richmond for lectures, he was found in Baltimore in a pitiable condition and taken unconscious to a hospital where he died on Sunday, October 7, 1849. He was buried in the yard of Westminster Presbyterian Church in Baltimore, Maryland.

In personal appearance, Poe was a quiet, shy-looking but handsome man; he was slightly built, and was five feet, eight inches in height. His mouth was considered beautiful. His eyes, with long dark lashes, were hazel-gray."

via
http://stufffromthelab.wordpress.com/

Edgar Allen Poe - "the tell tale heart"

TRUE! from Tony Gardiner on Vimeo.





http://vimeo.com/12781782

quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011

Leituras que marcam

"Se há livros que devemos ler, este é um deles, não só pela linguagem que nos envolve e fascina, mas principalmente pela mensagem que nos passa.
Neste livro há dois mundos distintos, o mundo das crianças e o mundo dos adultos. Harper Lee soube passar para o leitor a diferença entre eles e soube de igual forma transmitir sentimentos e fazer-nos ver a diferença entre estes de acordo com as idades dos personagens.
É de enaltecer e elogiar a forma como nos mostra o mundo das crianças. A autora consegue colocar-se na pele de uma menina e passar-nos o que ela interioriza do mundo dos adultos.
Os seus personagens são fortes e percebe-se que nenhum é lá colocado ao acaso. Todos eles têm um papel importante, têm algo a acrescentar à narrativa. Nesta escrita, tudo é simples e claro, ou melhor, tudo é puro. Mesmo a maldade descrita é vista como sendo ignorância. Quem acusa e quem mata é vítima de uma sociedade de preconceito, é vítima de um passado. Um passado, cujas ideias que permanecem ao longo dos tempos, não podem ser alteradas de um momento para o outro, mas de forma lenta e progressiva e é precisamente neste ponto que entra a figura principal desta história “Atticus”.
Atticus, é visto como a mola mestra da mudança. Na minha opinião, será aquele capaz de salvar as “cotovias”.

“As cotovias não fazem nada a não ser cantar belas melodias para nós. Não estragam os jardins das pessoas, não fazem ninhos nos espigueiros, só sabem cantar com todo o sentimento para nós. É por isso pecado matar uma cotovia”*

Neste livro, todas as pessoas vítimas de discriminação e preconceito são representadas por este belo pássaro e cabe a Atticus traçar o caminho que poderá mudar a mentalidade de uma sociedade.
E porquê Atticus? Porque ele possui uma coragem verdadeira …

“Coragem é sabermos que estamos vencidos à partida, mas recomeçar na mesma e avançar incondicionalmente até ao fim”*

Atticus, advogado e viúvo, tem dois filhos Jean Louise (o narrador) e Jem. É destacado para defender um homem negro acusado de violar uma mulher branca. Sabendo de antemão que o júri o irá culpar mesmo que se prove a sua inocência. Atticus luta não só para salvar um homem inocente, mas principalmente para salvar a sociedade do preconceito. A sua intenção é provocar a dúvida na mente dos juízes e dar início à tal mudança necessária em Maycomb, uma pequena cidade no sul dos Estados Unidos durante a época da Depressão."

De todos os livros que li até hoje, acho que nunca me havia deparado com um personagem que me tocasse tanto como Atticus.

Este é um livro de leitura obrigatória :) !

* Citações retiradas da referida obra


Aqui:

http://viajarpelaleitura.blogspot.com/2011/02/por-favor-nao-matem-cotovia-harper-lee.html


http://viajarpelaleitura.blogspot.com/

"No me moleste mosquito"





http://www.youtube.com/watch?v=UVHSTtoGRRw&feature=player_embedded#at=14

No me moleste mosquito
No me moleste mosquito
No me moleste mosquito
Retourne chez toi

Je fais la sieste, moustique
Arrete un peu ta musique
Ne sois pas antipathique
Ne me pique pas

Moustique, mon vieux, tu vois trop petit
Tu as des ailes, va voir du pays
J'ai un patron plus large que moi
Vas-y de confiance, c'est moi qui t'envoie

No me moleste mosquito
No me moleste mosquito
No me moleste mosquito
Retourne chez toi

Tu me vois melancolique
De te troubler ton pique-nique
Si tu me goϋtes moustique
Tu n'aimeras pas

Y a des pays pleins de voluptes
Pour un moustique de qualitι
A St-Tropez, a Honolulu
Tout l'monde, il est gros, tout l'monde, il est nu

No me moleste mosquito
No me moleste mosquito
No me moleste mosquito
Retourne chez toi

Je fais la sieste moustique
Arrete un peu ta musique
Ne sois pas antipathique
Ne me pique pas.

Joseph Ira Dassin (November 5, 1938 August 20, 1980), more commonly known as JOE DASSIN, was an American/French singer-songwriter. Joe was born in New York City to American film noir director Jules Dassin and Béatrice Launer, a Hungarian virtuoso violinist. He began his childhood first in New York City and Los Angeles. However, after his father became a victim of McCarthyism, he and his family moved from place to place across Europe.
After studying at the International School of Geneva and the Institut Le Rosey in Switzerland, Dassin moved back to the United States to go to the University of Michigan in Ann Arbor, Michigan. After college, he moved back to France where, while working at a radio station, a record label convinced him to begin to record his songs.
By the early 1970s, Dassin's songs were on the top of the charts in France and he had become very well known. He was also a talented polyglot, recording songs in German, Russian, Spanish, Italian and Greek, as well as French and English.
Dassin married Maryse (real first name: Yvette) Massiéra on January 18th, 1966, in Paris. Their son, Joshua, was born two and a half months before term, September 12th, 1973, and died 5 days after. Devastated, Joe and Maryse split, but weren't really divorced until 1977.
January 14th, 1978, Joe married Christine Delvaux in Colignac (Var). They had two sons, Jonathan (born Sept.14th, 1978) and Julien (March 22nd, 1980). Christine died in December 1995.
Joe Dassin died of a heart attack during a vacation to Tahiti on August 20, 1980. He is interred in the Beth Olen Mausoleum section of Hollywood Forever Cemetery in Hollywood, California.

"Crazy Love"




http://www.youtube.com/watch?v=pisIqsHwbTY&feature=related


An enigmatic, haunting song - written by Marianne Faithfull in collaboration with Nick Cave & the Bad Seeds. "Crazy Love" appears in Faithfull's studio album "Before the Poison", from 2004.

Graphic Design by Tamir Spiegler


Lyrics: Marianne Faithfull
Music: Nick Cave & The Bad Seeds

Hated by all and everywhere he goes
Blazing contempt for human life and lies,
Murder as art and what he knows he knows
From life and fear in other people's eyes

Crazy love is all around me,
Love is crazy love is kind
But I know somehow you'll find me
Love is crazy, love is blind

She walks the boulevard without a care,
Knowing too much but having come so far
Pretending life is just a game you play for nothing,
Loving no-one and nowhere

Crazy love is all around me,
Love goes crazy given time
But I know somehow you'll find me
Love is crazy, love is blind

She looks as if expecting a surprise,
Maybe an encounter that will change her life
Not knowing hot from cold or good for bad,
If life is just a joke or if it makes her sad

Crazy love is all around me
Love is crazy love is kind
But I know somehow you'll find me
Love is crazy, love is blind

Marianne Faithfull

Descobri isto hoje. Uma das minha canções preferidas da grande Marianne Faithfull. Adoro a versão dela e dos Chieftans.




http://www.youtube.com/watch?v=FNXrq7_WWR4&feature=player_embedded#at=58

quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

A Propósito

de João Fazenda.jpg


A Propósito de “Parva que Sou”, dos Deolinda
André Gago

“Sou da geração sem remuneração
E não me incomoda esta condição
...Que parva que eu sou
Porque isto está mal e vai continuar
Já é uma sorte eu poder estagiar
Que parva que eu sou
E fico a pensar
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar

Sou da geração "casinha dos pais"
Se já tenho tudo, pra quê querer mais?
Que parva que eu sou
Filhos, maridos, estou sempre a adiar
E ainda me falta o carro pagar
Que parva que eu sou
E fico a pensar
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar

Sou da geração "vou queixar-me pra quê?"
Há alguém bem pior do que eu na TV
Que parva que eu sou
Sou da geração "eu já não posso mais!"
Que esta situação dura há tempo demais
E parva não sou
E fico a pensar,
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar”

Deolinda ( ... )



Não é, ainda, e sem com isto querer desmerecer a graça e a oportunidade da canção, um hino. Porque me parece que, na verdade, quer na substância, quer nas entrelinhas (se não claramente nas linhas) se trata mais de uma canção de perplexidade circunscrita que de uma canção de revolta generalizada. É certo que será cantada, repetida, glosada, e mesmo elevada à categoria circunstancial de hino nos próximos tempos, sobretudo estivais, mas não perdurará como tal para além da espuma dos dias. Há uma relativa falta de universalidade na letra, que pretende traçar um retrato geracional sintético e conciso. Há, por exemplo, a particularidade de usar a palavra ‘remuneração’, em vez de ‘salário’. Certamente por razões de rima, mas também porque ‘remuneração’ é um conceito talvez mais próximo da expectativa daqueles que, como a personagem canta, estudaram para alcançar uma posição na vida: estamos longe, portanto, do comezinho ordenado, das expectativas do salário proletário ou do trabalhador não especializado, e ainda mais das dos escravos a que a letra alude (o verso “para ser escravo é preciso estudar” ilustra bem como as expectativas daquele que estuda são altas, e até que ponto ele considera indignas de si as profissões não especializadas que, com algum exagero poético-social, a letra compara ao trabalho escravo). Exploro aqui estas subtis diferenças entre palavras como forma de reflectir sobre as expectativas daqueles que prosseguem estudos e daqueles que abraçam o trabalho possível, mas faço-o sugestionado também pela alteração subliminar do léxico referente ao mundo laboral, praticado pelas instituições de hoje, que procuram acolher conceitos conhecidos sob o cobertor de uma modernidade pia, que a tudo se sente obrigada a acudir, ainda que com meras promoções semânticas de desgraças antigas. É como se, mudando as palavras, os problemas que as palavras mais duras nomeavam deixassem de existir. É assim que o ‘biscate’ passa a ‘trabalho temporário’, e este a ‘estágio’, e só nos lembramos do salário quando está em atraso, porque ‘ordenado’ e de ‘remuneração’ não encaixam bem na métrica das palavras-de-ordem. Para o desemprego, ainda não se arranjou eufemismo. É isso que a canção explora e, a meu ver, bem. Mas as diferenças mantêm-se: fala de uma geração “casa-dos-pais”, uma geração que apostou num nível mais alto de estudos e que não teve, como as gerações anteriores, de todos os estratos sociais, o impulso da emancipação. De facto, o desejo de independência, assumido para o bem e para o mal pelas gerações precedentes, era um desejo profundamente associado à assunção da plena personalidade, o que, inclusivamente, estava à vante da procura de uma estável segurança material. Isto é, não se esperava pela conclusão de um curso para sair de casa dos pais. Arriscava-se, com isso, muitas vezes a conclusão do próprio curso. Mas havia soluções de transição, como as casas partilhadas. E, muitas vezes, as novas famílias e os filhos nasciam nesse contexto, não tendo necessariamente que ser adiados por causa da precariedade dessas situações. Aliás, o adiamento da constituição de família e geração de filhos associa-se, recentemente, muito mais à falta de disponibilidade para a vida familiar, sacrificada em nome de uma carreira profissional, do que à falta de meios para assegurar o sustento da prole. Os versos “Filhos, marido, estou sempre a adiar / e ainda me falta o carro pagar” são rematados por um “que parva que sou”, no que parece ser um comentário a essa exacta contradição: a de se poder escolher entre um encargo com um carro e o encargo com uma família. Ou seja, a canção esconde, por detrás da sua ressonância de hino das circunstâncias, uma crítica interna às razões do descontentamento de que se faz porta-voz: a de se trocar, com infelicidade, a realização pessoal plena pela banal satisfação do impulso consumidor: em vez de um filho, um carro, berço narcísico em que nos pavoneamos pelas ruas para nascer, ou existir, socialmente. Finalmente, a ideia de que há uma espécie de auto-censura a reprimir a legítima revolta desta geração, evocada pelo facto de poder estar a exigir mais do que lhe é legítimo esperar: “ Sou da geração ‘vou queixar-me pra quê?’ / Há alguém bem pior do que eu na TV”. Estes versos da letra são pertinentes, porque enunciam a possibilidade de existir, de facto, um fosso entre os problemas de uns e os problemas de outros. A canção não me parece poder ser um hino exactamente por isto: porque os versos não se dirigem contra os que estão acima, isto é, não elegem adversário, e traem um certo desconforto pelo facto de poder ainda haver quem tenha razões de queixa mais bem fundadas (embora a referência à Tv seja ambígua, na medida em que a simples evocação da Tv nos pode convidar a desvalorizar, mesmo involuntariamente, as queixas de que esta se faça porta-voz, em virtude da sua tradição de superficialidade — isto é, não sabemos se o “alguém que está pior” se refere às reportagens sobre novas levas de desempregados, com responsabilidades familiares e com mais de quarenta anos, ou se são uma referência irónica às apologias da desgraça com que, no caudal televisivo, se confundem espectacularmente causas e sofrimentos). Mas estes versos indicam também um caminho: não devo deixar de me queixar só por existirem outros em pior situação do que eu. Resta saber se esse inconformismo é suficiente para que possa vir a surgir, no próximo futuro, um hino cuja letra possa ser cantada por todos, sem reservas mentais. E resta saber se um tal hino, a existir um dia, poderá ser tão explícito como esta canção.Ver mais

Sidarta

Sidarta é um romance de Hermann Hesse, que trata da jornada espiritual de um rapaz conhecido como Siddhartha do subcontinente indiano durante o tempo de Buda. O livro, nono romance de Hesse, foi escrito em alemão, em um estilo simples, mas poderosa e lírica. Foi publicado em os EUA em 1951 e tornou-se influente durante os anos 1960. Hesse Siddhartha dedicado a Ninon de Hesse, sua esposa. A palavra Siddhartha é composta de duas palavras no idioma sânscrito, siddha (alcançado) artha + (significado ou riqueza). As duas palavras juntas significam "aquele que encontrou o significado (da existência)" ou "aquele que atingiu seus objetivos". O nome do Buda, antes de sua renúncia, foi o príncipe Sidarta Gautama. Neste livro, o Buda é conhecido como "Gautama". A história começa quando Siddhartha, filho de um brâmane, deixa sua casa para se juntar os ascetas com seu companheiro Govinda. Os dois enunciados na busca da iluminação. Siddhartha vai de ascetismo, a uma vida bastante mundana como um comerciante com um amante, e de volta ao ascetismo como ele tenta alcançar essa história goal.The tem lugar na antiga Índia em torno do tempo de Gautama Buda (provavelmente entre os séculos quarto e sétimo aC). A experiência é o conjunto de eventos conscientes experimentada por um ser humano na vida - que denota a participação, aprendizagem e knowledge.Understanding é a compreensão e interiorização. No romance de Hesse Siddhartha, a experiência é apontado como a melhor maneira de abordar a compreensão da realidade e alcançar a iluminação - Hesse elaboração da jornada de Siddhartha mostra que o entendimento é atingido não por meio escolar, métodos dependente da mente, nem através de mergulhar nos prazeres carnais de o mundo e as dores que acompanham o samsara, no entanto, é a totalidade dessas experiências que permitem atingir understanding.Thus Siddhartha, os eventos individuais não têm significado quando considerados por si só, ficar Siddhartha com os samanas e sua imersão no mundo do amor e as empresas não levam ao nirvana, mas elas não podem ser consideradas as distrações, para cada ação e evento que é realizado e acontece a Siddhartha ajuda-lo a alcançar o entendimento. A soma desses eventos é, portanto, grande preocupação experience.A de Hesse, por escrito, Siddhartha foi para curar sua "doença com a vida" (Lebenskrankheit), mergulhando na filosofia indiana, como a exposta no Upanishads eo Bhagavad Gita. A razão da segunda metade do livro demorou tanto tempo para escrever é que Hesse "não tinha experimentado esse estado transcendental da unidade à qual aspira Siddhartha. Na tentativa de fazê-lo, Hesse viveu como virtual recluso semi-e tornou-se totalmente imerso em os ensinamentos sagrados de ambas as escrituras hindus e budistas. Sua intenção era atingir a esse "completude", que, no romance, é o emblema do Buda de distinção ...

Siddhartha - Hermann Hesse - Paz





http://www.youtube.com/watch?v=k7FaOEHDKbc&feature=related

Send me an Angel




http://www.youtube.com/watch?v=QxTAZBswBt0

Dança dos pássaros

António Pinho Vargas

Uma gravação de 2002 da 1ª das Quatro Peças para Orquestra que constituem A Impaciência de Mahler.

Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, direcção Martin André. Gravado ao vivo pela Antena 2 RDP na Culturgest em 2002.




http://www.youtube.com/watch?v=ioPI6r5VaMw&feature=player_embedded#at=42

Lágrimas Mexicanas

Bill Frisell & Vinicius Cantuária - Lágrimas Mexicanas from Normal Life Pictures on Vimeo.



via

http://www.yoshis.com/oakland/jazzclub/artist/show/1169


http://vimeo.com/18689534

Magnífico

segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011

Go Your Own Way




Loving you
Is it the right thing to do?
How can I ever change things
That I feel?

If I could
Maybe I'd give you my world
How can I
When you won't take it from me

You can go your own way
Go your own way
You can call it
Another lonely day
You can go your own way
Go your own way

Tell me why
Everything turned around
Packing up
Shacking up's all you wanna do

If I could
Baby I'd give you my world
Open up
Everything's waiting for you

You can go your own way
Go your own way
You can call it
Another lonely day
You can go your own way
go your own way

You can go your own way
Go your own way
You can call it
Another lonely day
You can go your own way
go your own way
You can call it
Another lonely day

You can go your own way...
Call it another lonely day...
you can go your own way...




http://cavalheirosdoapocalipse.blogs.sapo.pt/

http://rd3.videos.sapo.pt/0kzbWM4RFI4oeJZ0dcAN

passa palavra

A arte não tem compromissos e, neste país parado, onde não acontece nada, onde você passa matando o tempo e o tempo passa matando você, a arte solta e livre poderá vir a ser a coisa mais eficaz possível. José Celso Martinez Corrêa, teatrólogo brasileiro.


http://passapalavra.info/?p=33441#more-33441

"HOJE BATTISTI, AMANHÃ TU" from Passa Palavra on Vimeo.




http://vimeo.com/19258838


http://demon-haunted-world.blogspot.com/search/label/Literatura


http://skepticblog.org/


http://skepticblog.org/2011/02/14/reporting-preliminary-studies/



http://demon-haunted-world.blogspot.com/search/label/Literatura


http://blog.criticanarede.com/2009/05/ortografia-gramatica-e-estado.html









http://www.skeptic.com/

http://skeptoid.com/
http://www.skeptologists.com/

http://www.themarkedward.com/

http://www.theness.com/

http://www.theskepticsguide.org/






-------------------------------
If we can put a man on the moon, why can’t we cure cancer?


http://www.sciencebasedmedicine.org/?p=10761

http://www.theskepticsguide.org/resources/events.aspx?EventID=33
http://www.theskepticsguide.org/resources/events.aspx?EventID=34
http://www.randi.org/site/index.php/amazing-meeting.html

sábado, 12 de Fevereiro de 2011

Gerard Castello Lopes

The Biography channel Gerard Castello Lopes





http://video.google.com/videoplay?docid=-418361730050201432&hl=pt-PT#




http://www.typepad.com/services/trackback/6a00d8341d53d453ef00e551eee97d8833




http://videos.sapo.pt/tf3gkQ41ZH0fZZIDf9KS




http://www.google.pt/images?hl=pt-PT&xhr=t&q=gerard+castello+lopes&cp=21&rlz=1R2SUNC_pt-PTPT380&wrapid=tljp129753200596300&um=1&ie=UTF-8&source=univ&ei=XsRWTZrIH86fOpjUzNgE&sa=X&oi=image_result_group&ct=title&resnum=3&sqi=2&ved=0CD4QsAQwAg&biw=1402&bih=671

George Orwell

setenbro verão 037.JPG

“Na nossa vida, não importa quanto tempo é possível mantermo-nos vivos, mas sim o quanto tempo conseguimos permanecer humanos”

George Orwell

sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

Carlos Drummond de Andrade

fb_R85YgecZLtI0MeDW7Jth



Tenho razão de sentir saudades,
tenho razão de te acusar.
Houve um pacto implícito que rompeste
e sem te despedires foste embora.

Detonaste o pacto.
Detonaste a vida geral, a comum aquiescência
de viver e explorar os rumos de obscuridade
sem prazo, sem consulta, sem provocação
até o limite das folhas caídas na hora de cair.

Antecipaste a hora.
Teu ponteiro enlouqueceu, enlouquecendo as nossas horas.
Que poderias ter feito de mais grave
do que o ato sem continuação, o ato em si,
o ato que não ousamos nem sabemos ousar
porque depois dele não há nada?

Tenho razão para sentir saudades de ti,
da nossa convivência em falas camaradas,
simples apertar de mãos, nem isso, voz
modulando sílabas conhecidas e banais
que eram sempre certeza e segurança.

Sim, tenho saudades.
Sim, acuso-te porque fizeste
o não previsto nas leis da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer o direito de indagar
porque o fizeste, porque te foste

Carlos Drummond de Andrade
ribeira São Tomé 017.jpg

quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2011

Da Vinci

homem vitruvian






http://flickrhivemind.net/User/toscanolucas




Vitruvian variations
http://www.flickr.com/photos/francoismique/

Há muitos oartistas que fazem todo o tipo de variações do famoso desenho de Da Vinci e este grupo foi criado para agregar todos eles.

http://www.flickr.com/groups/824622@N21/


http://www.flickr.com/photos/aragonprime/

terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2011

PESSOA

Pessoa.jpg



"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e que posso evitar que ela vá a falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas.
Um dia vou construir um castelo..."


(Fernando Pessoa)


http://www.luso-poemas.net/


também em
http://blzestetica.blogspot.com/

HOMOCISTEÍNA

HOMOCISTEÍNA: PIOR DO QUE O COLESTEROL

A doença coronária obstrutiva (enfarto do miocárdio) é um grande pesadelo para a humanidade. Nos países desenvolvidos, assim como em Portugal, é a principal causa de mortalidade.
Estima-se que, somente neste ano, 900.000 americanos e 6.000 portuguesess terão suas vidas ceifadas por esta doença.
Muito mais importantes do que a herança genética, os verdadeiros inimigos do coração estão ligados aos nossos estilos de vida: fumo, sedentarismo, obesidade, stress, hipertensão, os erros alimentares e a deficiência hormonal que, em última análise, levam à hipercolesterolemia (aumento do colesterol no sangue).
O aumento do colesterol, principalmente a fracção LDL (o mau colesterol), abre caminho para a arteriosclerose, que, por sua vez, obstrui as artérias do coração e causa o enfarto, numa verdadeira reacção em cascata.
Colesterol elevado, passou então, a ser o inimigo público número um. Paradoxalmente, ninguém se questiona que sem colesterol morremos, e portanto o colesterol não pode ser o culpado.
Um facto muito importante intrigava, porém, os pesquisadores mais curiosos: se é realmente o grande vilão, como explicar a ocorrência de enfartos em pessoas com colesterol absolutamente normal?
Como explicar o enfarto em adultos cada vez mais jovens, que, igualmente, não apresentam qualquer anormalidade no seu colesterol, e adoptam estilos de vida aparentemente saudáveis?

Um dos elos desta cadeia de eventos, parece ter sido encontrado.
Surgindo no nosso organismo como um produto do metabolismo da metionina, a homocisteína é um aminoácido natural, de existência efémera, que se converte em outro aminoácido chamado cistationa. Se esta rota for correctamente seguida, não há qualquer prejuízo para a nossa saúde. O grande segredo, porém, é que para este processo ocorrer, são necessários co-factores naturais que regulam essas reacções: vitaminas B6 e B12, betaína e ácido fólico. Aí é que começam nossos problemas.
Devido a uma má nutrição — especialmente nos idosos—, ao esgotamento do solo, industrialização excessiva dos alimentos e baixa concentração desses elementos na dieta, um número incontável de pessoas apresenta deficiência dessas substâncias.
Diante dessas deficiências, nosso organismo passa a acumular homocisteína, e essa substância é hoje considerada um dos indutores da oxidação do colesterol.
É a homocisteína um dos factores que induzem e modulam as lesões vasculares que levam ao enfarto.
Ainda pior: a homocisteína acelera a oxidação do LDL colesterol ( o “mau colesterol”), aumentando ainda mais a lesão vascular.

Explicando mais claramente: se o colesterol é normal, porém as concentrações de homocisteína no seu sangue estão elevadas, a lesão cardíaca ocorre mais rapidamente do que se seu colesterol estiver elevado e sua homocisteína normal!
Na verdade, a homocisteína elevada no sangue, é considerada, actualmente, nos países que praticam uma medicina de ponta, um factor de risco para doenças cardíacas, muitas vezes pior e mais preciso do que o colesterol.
Pessoas com doenças coronárias, já confirmadas por angiografia, têm um risco, 10 a 15 vezes maior de enfarto se sua homocisteína estiver elevada!
Para finalizar, dois factos relevantes:
a suplementação vitamínica correctamente conduzida, provoca a total normalização dos níveis de homocisteína
os níveis de homocisteína no sangue podem ser medidos, sendo um exame obrigatório nos países desenvolvidos.
Lembre-se: na sua próxima consulta, peça ao seu médico para dosear os seus níveis de homocisteína, que, está provado, é muito pior que o colesterol.

"O seu corpo é um bem precioso. Ele é o único veículo que o leva a acordar todas as manhãs. Trate-o com cuidado."

Não adoeça
Não envelheça
Não morra

via
http://anti-envelhecimento.blogs.sapo.pt/

Alzheimer's Disease Guide

cerebro



A Vitamin B12 pode reduzir o risco da doença de Alzheimer


http://www.sciencedaily.com/releases/2010/10/101018162922.htm

http://www.aan.com/



http://www.webmd.com/alzheimers/guide/alzheimers-disease-overview-facts


http://www.medicinenet.com/alzheimers_disease_causes_stages_and_symptoms/article.htm


http://www.ninds.nih.gov/disorders/alzheimersdisease/alzheimersdisease.htm

Alzheimer

0003yqfs


Esboço do Cérebro Humano sobre "David" de Michelangelo.

Dentro do cérebro: Uma viagem interativa

A Viagem ao Cérebro explica o funcionamento do cérebro e como a doença de Alzheimer o afeta.

http://www.alz.org/alzheimers_disease_languages.asp

Legado da Terra



http://www.youtube.com/watch?v=GonMVIJUuJs&feature=channel

Oração de Gaia




O vídeo Oração de Gaia lança uma série de artigos e ações baseadas no Espiritual Ambientalismo (AE). EA é a aplicação de práticas espirituais e metodologias para a sensibilização e início de ações para deter e reverter a espiral de impacto nocivo da humanidade no meio ambiente.

Junto com o conceito de Ativismo Espiritual, AE é aquele que abraça a verdade imutável da sublinhou conexão entre todos os seres e atribui uma nova forma de interação com o meio ambiente com base na ética da vida consciente.

Para adotar essa lente como uma maneira de ver o nosso planeta é entendê-lo como uma entidade viva: aquele que acolhe e alimenta todas as formas de vida e níveis de consciência, não exclusivamente os seres humanos, mas as árvores, animais e outros seres vivos também. Todas as formas de vida são sagradas e valioso para a existência e manutenção do equilíbrio de todo o sistema.

http://www.youtube.com/watch?v=a2diqGc1-Mw&feature=player_embedded

http://humanityhealing.net/2010/10/gaias-prayer/

Cura da Humanidade




http://www.youtube.com/watch?v=I_n8FDNxTHU&NR=1

sábado, 5 de Fevereiro de 2011

one Love

OUÇO

http://tv1.rtp.pt/multimediahtml/area.php?page=podcasts&canal=at1

Uma série sobre Viagens

ENDEREÇO DESCONHECIDO leva-nos a conhecer, por dentro, doze dos últimos países a entrar na União Europeia. Se França, Itália ou Grã-Bretanha, veteranos da União Europeia, são destinos conhecidos da maioria de nós, não podemos, em boa verdade, dizer o mesmo de nações como a Lituânia ou a Bulgária. Os últimos países a integrar a família da UE são, para grande parte dos portugueses e dos restantes europeus, estranhos, distantes, misteriosos. Malta, Eslováquia, Eslovénia, Lituânia, Letónia, Estónia, Polónia, República Checa, Hungria, Roménia, Bulgária e Chipre vão revelar-se-nos destinos irresistíveis pela mão de Tiago Salazar, o viajante que nos guia em ENDEREÇO DESCONHECIDO. Em cada um dos doze episódios desta série, o cosmopolita, irreverente e bem-humorado Tiago Salazar conduz-nos por um destes países. As surpresas são mais que muitas e no final de cada episódio garantimos que fica uma irreprimível vontade de viajar até à Europa Central, nas pegadas destes percursos que tanto nos contam a História verdadeira do conde Drácula, na Hungria, como nos mostram o que é tomar copos no bar mais em voga da capital estónia.


http://tv1.rtp.pt/programas-rtp/index.php?p_id=27161&e_id=5&c_id=8&dif=tv

RTP - ENDEREÇO DESCONHECIDO - LETÓNIA

RTP - ENDEREÇO DESCONHECIDO - LETÓNIA

Don't Worry Be Happy




http://www.youtube.com/watch?v=lHc_DG80x9I&feature=player_embedded

quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

Países da UE

Poema do Coração

"Eu queria que o Amor estivesse realmente no coração,


e também a Bondade, e a Sinceridade,


e tudo, e tudo o mais, tudo estivesse realmente no coração


Então poderia dizer-vos:


"Meus amados irmãos, falo-vos do coração",


ou então:


"com o coração nas mãos".


Mas o meu coração é como o dos compêndios


Tem duas válvulas ( a tricúspide e a mitral)


e os seus compartimentos (duas aurículas e dois ventrículos).


O sangue a circular contrai-os e distende-os


segundo a obrigação das leis dos movimentos.


Por vezes acontece


ver-se um homem, sem querer, com os lábios apertados


e uma lâmina baça e agreste, que endurece


a luz nos olhos em bisel cortados.


Parece então que o coração estremece.


Mas não.


Sabe-se, e muito bem, com fundamento prático,


que esse vento que sopra e ateia os incêndios,


é coisa do simpático.


Vem tudo nos compêndios.
Então meninos! Vamos à lição!


Em quantas partes se divide o coração?"

António Gedeão - Poemas

via
http://www.docaosaocosmos.blogspot.com/

O Fado na Argentina







terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011

Mamãe natureza (especial Rita Lee Jones, 1980)



ALGA


Would you prefer a stone
That I chose for you
That lay on a beach
Was just a sea of stone
Wasn't meant for you
Jumped into my eyes
Choice of millions

Would you prefer a stone
From your window
It walks through the streets
Feeling young and tense
They said he had this one in mind for you
`Cos it's so much strain
Choice of only a few

Would you prefer a look
That was contrived
Or a look that says how I really keep with you
I have no plans in my mind
Just kind of go
Go with you

Would you prefer a hello or a goodbye
My mind is something I don't know
The truth, why should I lie
Just kind of go
Go with you

Você prefere uma pedra
Que eu escolhi para você
Que estava em uma praia
Era apenas um mar de pedra
Não foi feito para você
Pulei dentro dos meus olhos
Escolha dos milhões

Você prefere uma pedra
Da sua janela
Ela caminha pelas ruas
Sentindo-se jovem e tensa
Disseram que ele tinha esse em mente para você
«Porque é tanta tensão
Escolha de apenas alguns

Você prefere um olhar
Isso foi inventado
Ou um olhar que diz como eu realmente me manter com você
Eu não tenho planos em minha mente
Basta ir tipo de
Vai com você

Você prefere um Olá ou um adeus
Minha mente é algo que eu não sei
A verdade, por que eu deveria mentir
Basta ir tipo de
Vai com você

Labirinto do Egipto




http://www.youtube.com/watch?gl=NL&hl=nl&v=EqmpT6T_2tU

A Vida é Bela

Borboleta Mágica



http://casa.hsw.uol.com.br/jardim-de-borboleta.htm

INOVADORES - 1

INOVADORES - 2