quinta-feira, 30 de Dezembro de 2010

The Annunciation

300px-Leonardo_da_Vinci_Annunciation.jpg


The painting "Annunciation" or "The Annunciation" by Leonardo da Vinci was painted, with Andrea del Verrocchio, circa 1472–1475.[1] The wings were later extended by another artist.[citation needed]

The angel holds a Madonna lily, a symbol of Mary's virginity and of the city of Florence. It is supposed that Leonardo originally copied the wings from those of a bird in flight, but they have since been lengthened by a later artist

When Annunciation came to the Uffizi in 1867, from the monastery of San Bartolomeo of Monteoliveto, near Florence, it was ascribed to Domenico Ghirlandaio, who was, like Leonardo, an apprentice in the workshop of Andrea del Verrocchio. In 1869, some critics recognized it as a youthful work by Leonardo di ser Piero da Vinci.

Verrocchio used lead-based paint and heavy brush strokes. He left a note for Leonardo to finish the background and the angel. Leonardo used light brush strokes and no lead. When the Annunciation was x-rayed, Verrocchio's work was evident while Leonardo's angel was invisible.

The marble table, in front of the Virgin, probably quotes the tomb of Piero and Giovanni de' Medici in the Basilica of San Lorenzo, Florence, which Verrocchio had sculpted during this same period.

via
http://en.wikipedia.org/wiki/Annunciation_(Leonardo)

sexta-feira, 24 de Dezembro de 2010

Feliz Natal

Merry★* 。 • ˚ ˚ •。★Christmas★ 。* 。*
° 。 ° ˚* _Π_____*。*˚★ 。* 。*。 • ˚ ˚ •。★
˚ ˛ •˛•*/______/~\。˚ ˚ ˛★ 。* 。*★ 。* 。*
˚ ˛ •˛•| 田田|門| ˚And a Happy New Year!

http://photography.nationalgeographic.com/photography/photo-of-the-day/

segunda-feira, 20 de Dezembro de 2010

Árvore de Natal de Plutão - 1952



http://www.youtube.com/watch?v=CBFsFj10tTg&feature=player_embedded

crónicas - MEC

Serviço Chá Japonês




O socorro do chá

"Estamos pobres mas, se já não podemos almoçar ou jantar fora, há luxos que saem barato. O maior e o mais barato de todos é o chá.
Em Novembro tomámos o afternoon tea no mais bonito e inglês lugar do mundo onde se pode lanchar cá fora: o terraço do Reid's no Funchal. Foi mais do que perfeito, como o pretérito. Os empregados, sobretudo, são os mais escorreitos cúmplices que se pode desejar, para cometer o delicioso crime, durante uma hora ou duas, de viver bem.
Esta semana instituímos aqui em casa, dada a nossa fraqueza financeira, o hábito do chá da tarde. É às quatro horas e não às cinco, como pensam os ignorantes. O chá do Reid's, aliás, começa, correctamente, às três e meiada tarde e acaba, com ainda maior correcção, às cinco.
fomos comprar chás de de folha solta. Os ingleses serão os maiores bárbaros do chá: bebem com leite e usam água a ferver. Mas, sendo filho de mãe inglesa e pai português, não posso senão achar que a técnica e cerimónia inglesa, quando é bem feita, tem uma graça europeia que deixa intactas as tradições chinesas e japonesas.
Cem gramas de bom chá Twining's - o suficiente para vinte bules - custam três euros. Um bule dá para dez chávenas. Cada chávena de bom chá sai a 1,5 cêntimos, mais o preço do leite, que é para aí 0,5 cêntimos, dando dois cêntimos por chávena.
Comprámos três pacotes de cem gramas, pesando 300 gramas. Vão dar 600 chávenas de chá. Haverá coisa mais leve, barata e gratificante? Não, não há."

Miguel Esteves Cardoso
«Ainda ontem»

via jornal PÚBLICO de 16 Dezembro 2010

O Chá

"Nada é pequeno no amor. Quem espera as grandes ocasiões para provar a sua ternura não sabe amar." (Laure Conan)



Tomando chá.gif

Rabanadas

Rabanadas com mel.gif



Adoro Rabanadas. Além de saborosas, são muito fáceis preparar. Esse doce é óptimo para se consumir no inverno, porém por se tratar de uma tradição, as pessoas comem muito mais no Natal.
A história das Rabanadas é encantadora: De origem portuguesa, conta a lenda, que uma mulher pobre, que não tinha quase nada para comer, precisava de alimentar o seu filho recém nascido. Seus únicos alimentos eram restos de pães amolecidos molhados com leite adocicado. Só comendo essa mistura, a mulher teve tanto leite, que amamentou seu filho e ainda sobrou para amamentar outras crianças também. Por isso, dizem que mulheres grávidas devem comer muitas rabanadas (não esquecer que se trata de uma lenda).
Desta forma, o doce se tranformou num símbolo de prosperidade e de fartura, sendo servido nas festas de fim de ano.

Uma versão com leite condensado e a versão light, minha preferida.

Tradição de Natal

Rabanada

Ingredientes


- 3 pães franceses de véspera
- 2 xícaras de chá de leite
- 1/2 xícara de chá de açúcar
- 1/2 lata de leite condensado
- Óleo ( quanto necessário para fritar)
- 2 colheres de sopa de canela em pó
- 3 ovos

Modo de Preparação

Corte os pães em fatias e reserve. Coloque o leite e o leite condensado numa tigela e mexa com uma colher. Coloque os ovos numa outra tigela e bata com um garfo até ficar homogêneo. Coloque o óleo numa panela média leve ao fogo alto para esquentar. Coloque algumas fatias de pão dentro da tigela com leite e leite condensado, deixe encharcar por 1 minuto de cada lado.
Retire os pães dos leites e coloque sobre uma peneira para pingar o excesso de líquido.
Retire as fatias da peneira, passe pelo ovo batido e frite imediatamente.
Frite as fatias por 2 minutos de cada lado, ou até que comecem a dourar.
Repita a operação com cada fatia.
Retire os pães com uma escumadeira e coloque sobre papel absorvente. Reserve. Se o óleo começar a ficar muito sujo, passe por uma peneira forrada com um pano limpo ou com algodão.
Coloque o açúcar e a canela num prato e misture. Envolva cada fatia pela mistura.
Sirva a seguir.

Rabanada Light

Ingredientes

- 6 pães franceses
- 1 xícara (chá) de leite desnatado
- 1 xícara (chá) de leite condensado light ou leite condensado desnatado (opcional)
- 2 gemas - 1 colher (sobremesa) rasa de margarina light para untar
- 2 colheres (sopa) de canela em pó- 1 colher (chá) de adoçante

Modo de Preparação

Num recipiente corte os pães em fatias e reserve. Noutro recipiente junte as gemas já batidas, o leite condensado e o leite desnatado. Misture bem. Mergulhe as fatias dos pães no creme, encharcando-as com cuidado para não quebrarem. Em uma forma untada com margarina light, deposite as fatias uma a uma e leve-as para assar por aproximadamente 20minutos ou até as fatias secarem. Retire as rabanadas do forno e reserve. Num recipiente junte a canela e o adoçante e misture bem. Salpique a mistura sobre as rabanadas ainda quentes.

domingo, 19 de Dezembro de 2010

Lenda do Bolo Rei

Imagem_151.jpg

BOLO REI
Nesta época cintilante não há casa portuguesa que não se preze do seu Bolo Rei pelo que não é possível falar de Natal sem falar de bolo rei, sendo quase presença obrigatória em todas as mesas da época natalícia. Este bolo está repleto de simbologia. Não é por acaso que tem forma de coroa e brilho nas suas frutas cristalizadas....

Reza a lenda que este doce representa os presentes oferecidos pelos Reis Magos ao Menino Jesus aquando do seu nascimento. A côdea simbolizava o ouro, as frutas secas e cristalizadas representavam a mirra, e o aroma do bolo assinalava o incenso.

Ainda na base do imaginário, a existência duma fava também tem a sua explicação: Quando os Reis Magos viram a Estrela de Belém que anunciava o nascimento de Cristo, disputaram entre si qual dos três teria a honra de ser o primeiro a entregar ao menino os presentes que levavam.

Como não conseguiram chegar a um acordo e com vista a acabar com a discussão, um padeiro confeccionou um bolo escondendo no interior da massa uma fava.
De seguida cada um dos três Magos do Oriente pegaria numa fatia. O Rei Mago que tivesse a sorte de retirar a fatia contendo a fava seria o que ganharia o direito de entregar em primeiro lugar os presentes a Jesus. O dilema ficou solucionado, embora não se saiba se foi, Gaspar, Baltazar, ou Belchior o feliz contemplado.

É claro que isto é só uma lenda, históricamente falando, a versão é bem diferente.
Aproveitando um inocente jogo de crianças, os Romanos inseriram a sua prática nos banquetes durantes os quais se procedia à eleição do rei da festa, que consistia em escolher entre si um rei tirando-o à sorte com favas, por isso designado por vezes também rei da fava.

A Igreja Católica aproveitou o facto de aquele jogo ser característica do mês de Dezembro e decidiu relacioná-lo com a Natividade e com a Epifania, ou seja, com os dias 25 de Dezembro e 6 de Janeiro. A influência da Igreja na Idade Média determinou que esta última data fosse designada por Dia de Reis e simbolizada por uma fava introduzida num bolo, cuja receita se desconhece.

Havia ainda a tradição de que os cristãos deveriam comer 12 Bolos Reis, entre o Natal e o Dia de Reis, festa que muito cedo começou a ser celebrada na côrte dos reis de França. O Bolo Rei terá, aliás, surgido neste país no tempo de Luis XIV para as festas do Ano Novo e Dia de Reis.

Vários escritores da época escreveram sobre esta iguaria, até mesmo Greuze celebrou-o num famoso quadro, com o nome de Gâteau dês Róis.
Com a Revolução Francesa em 1789 este bolo foi proibido, “como mais tarde iria acontecer em Portugal”, só que os pasteleiros que tinham um excelente negócio em mãos em vez de o eliminarem decidiram continuar a confeccioná-lo chamando-lhe Gâteau dês Sans-cullotes.

Com isto parece não haver dúvidas que o Bolo Rei tem verdadeiras origens francesas, apesar do Bolo Rei popularizado em Portugal no século passado não ter a ver com o bolo simbólico da festa dos reis existente na maior parte das províncias francesas a norte do rio Loire, na região de Paris, onde o bolo é uma rodela de massa folhada recheada de creme.

O nosso Bolo Rei segue a receita a sul de Loire, um bolo em forma de côroa feito de massa leveda. Acrescenta-se que ambos os bolos continham uma fava simbólica, podendo ser um objecto de porcelana.

Tanto quanto se sabe, a primeira casa onde se vendeu Bolo Rei em Portugal foi em Lisboa na Confeitaria Nacional, por volta do ano de 1870, bolo esse feito pelo afamado confeiteiro Gregório através duma receita que Baltazar Castanheiro Júnior trouxera de Paris.
Durante a Quadra Natalícia a Confeitaria Nacional oferecia aos lisboetas uma exposição de tudo quanto de mais delicado e original a arte dos doces podia então produzir. A pouco e pouco, outras confeitarias também passaram a fabricá-lo o que deu origem a várias versões.

No Porto foi posto à venda pela primeira vez em 1890 por iniciativa da Confeitaria Cascais feito segundo receita que o proprietário Francisco Júlio Cascais trouxera de Paris. Assim o Bolo Rei atravessou com êxito os reinados da rainha D. Maria II e dos reis D. Pedro, D. Luis, D. Carlos e D. Manuel II. Vieram depois o Estado Novo de Salazar e Marcelo Caetano e a Revolução de 25 de Abril de 1974.
Mas foi com a proclamação da República em 5 de Outubro de 1910 que vieram os piores tempos para o Bolo Rei ficando em risco a sua existência, tudo por causa da palavra “rei”, símbolo do poder supremo que numa lógica de hoje nos faz rir. Ora morto este símbolo, o bolo tinha que desaparecer ou mascarar-se para evitar a guerra que lhe podia ser feita.

Os confeiteiros partiram do principio de que negócio é negócio e política é política e continuaram a fabricar o bolo sob outra designação. Os menos imaginativos deram-lhe o nome de ‘ex-bolo rei’, mas a maioria chamou-lhe bolo de Natal ou bolo de Ano Novo.

A designação de bolo Nacional seria a melhor, uma vez que remetia para a confeitaria que o tinha introduzido em Portugal, e também por estar relacionado com o país o que ficava bem em período revolucionário. Não contentes com nenhuma destas idéias os republicanos mais radicais chamaram-lhe bolo Presidente até houve quem he chamasse bolo Arriaga. Não se sabe como reagiu o Presidente da República, mas convenhamos que a homenagem não tivesse sido a melhor. Passado esse período negro, a história deste bolo tem sido um sucesso.

A receita do Bolo Rei correu mundo, muito contribui para isso a fama que o bolo ganhou por proporcionar expectativa a quem comesse a fatia que continha a fava ou o brinde. A fava amaldiçoada pelos sacerdotes Egípcios que a viam como alojamento para os espíritos é considerado o elemento negativo, representando uma espécie de azar, tendo quem a encontra duas opções:
Assumir o pagamento do próximo bolo ou correr perigo de engoli-la.

Por sua vez o brinde era colocado no bolo com o objectivo de presentear os convidados com quem se partilhava o bolo. Havia quem colocasse nos bolos pequenas adivinhas complicadas por sinal, mas cuja recompensa seria meia libra de ouro. Porem outros incluíam propositadamente as moedas de ouro na massa, por uma forma requintada de agradecimento, como se o próprio bolo não chegasse. Infelizmente com o passar do tempo o brinde passou a ser um pequeno objecto metálico sem outro valor que não o do símbolo e pouco evidente para a maioria das pessoas.

Como não bastasse, as leis comunitárias ditaram o fim da tradição, proibindo que no interior do bolo se encontre uma fava ou um brinde.

Mesmo assim o Bolo Rei continua a ser um símbolo da época Natalícia, e hoje os confeiteiros e pasteleiros não se poupam a esforços na sua promoção, por isso se enchem de clientes para adquirir o rei das iguarias nesta quadra festiva,
O Bolo Rei não se limita a ser um bolo com gosto agradável, ele é na verdade um verdadeiro símbolo desta época!

The Swell Season - "Low Rising"

sábado, 18 de Dezembro de 2010

quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010

Kate Nash - We Get On Animation



http://www.youtube.com/watch?v=nwHYmZWcuKo

Livro da vida - Carlos Pinto Coelho

Carlos Pinto Coelho (1944-2010)

http://www.ciberduvidas.pt/aberturas.php?id=1117






http://www.youtube.com/watch?v=mnuDJbIL_EA&feature=player_embedded#!



Entrevista a CPC
http://sol.sapo.pt/inicio/Cultura/Interior.aspx?content_id=7063

Dieta causa de doença mental?

"Um estudo publicado no Jornal Nutritional Neuroscience sugere que alterações na dieta podem reduzir comportamentos anormais em doentes com patologia psiquiátrica e que, por outro lado, a dieta poderá desencadear o início de uma doença mental.

O investigador, Joseph Garner, trabalha com ratinhos com alterações genéticas que os torna propensos a arrancar o pêlo. Estes ratinhos têm níveis de serotonina baixos e, como tal, foi-lhes administrado triptofano (precursor da serotonina) juntamente com uma dieta rica em carboidratos (as dietas ricas em carboidratos facilitam a assimilação do triptofano a nível central). No entanto, apesar dos níveis de serotonina terem normalizado a nível cerebral, ao contrário do esperado, houve um agravamento da sintomatologia nos ratinhos doentes e os ratinhos saudáveis iniciaram os comportamentos de arrancar pêlo.

Segundo o autor, este estudo vem levantar algumas questões relativamente à possibilidade da forma como a dieta pode afectar outras doenças comportamentais ou mentais, como autismo, Síndrome de Tourette, tricotilomania, etc. Assim Garner questiona: “E se o aumento do consumo de açúcares simples na dieta Americana estiver a contribuir para aumentar estas doenças? "

Nós sabemos a resposta… E o pior é que não são só estas doenças. Cada vez temos mais confirmações de que “somos o que comemos”.



via

http://www.cristinasales.pt/Diagnostico-Funcional/Blog/Blog.aspx?BID=1&MVID=1000173

outras leituras
http://come-se.blogspot.com/

terça-feira, 14 de Dezembro de 2010

Melancolia



Melancolia




Os papéis falam uns com os outros


Sobre esta mesa onde a sombra cai



A lâmpada esquecida tem remorsos


Da luz que antes lhe deu que se esvai.



Nas paredes que antes quadros coloriram


Sobre papel sedoso de ramagens



Ecoam dias em que vozes riram


Jarras de cristal com flores selvagens.



Já partidos os vidros nas janelas


A glicínia sobre os muros sinuosa



Conforme o sol ondula se reclina


Ervas crescem no jardim por elas



Pois já nenhuma mão colhe sua rosa.


Tudo se abandona a ser em ruína.





Bernardo Pinto de Almeida


Hotel Spleen


Lisboa, Quetzal, 2003

A propósito de Hotel Spleen, disse Eduardo Prado Coelho:



«Bernardo Pinto de Almeida é um corredor de fundo, e algumas das melhores páginas deste livro resultam de poemas de grande extensão que se vão estruturando numa cadência de palavras e de obsessões que acabam por envolver o leitor de um modo irrecusável.»

Pintura

1270293469_74510224_2-Fotos-de--PAULA-REGO-SERIGRA

sexta-feira, 10 de Dezembro de 2010

J. S. Bach - (1/3)







Jauchzet, Frohlocket, auf, preiset die Tag 01

Natal

nozes_promo_02.jpg

Viagem

Imagem Outra Viagem.jpg






Viagem na Família por Carlos Drummond de Andrade


Viagem

É o vento que me leva.
O vento lusitano.
É este sopro humano
Universal
Que enfuna a inquietação de Portugal.
É esta fúria de loucura mansa
Que tudo alcança
Sem alcançar.
Que vai de céu em céu,
De mar em mar,
Até nunca chegar.
E esta tentação de me encontrar
Mais rico de amargura
Nas pausas da ventura
De me procurar...

Miguel Torga, in 'Diário XII'

quinta-feira, 9 de Dezembro de 2010

Móvel de sala

Móvel de Sala




http://www.decoracaoeinteriores.com/

Acerca do Desconcerto do Mundo

fb_nTP6Cj8OzZjSeBaSnZVS




Quem pode ser no mundo tão quieto,

Ou quem terá tão livre o pensamento,

Quem tão experimentado e tão discreto,

Tão fora, enfim, de humano entendimento

Que, ou com público efeito, ou com secreto,

Lhe não revolva e espante o sentimento,

Deixando-lhe o juízo quase incerto,

Ver e notar do mundo o desconcerto?





Quem há que veja aquele que vivia,

de latrocínios, mortes e adultérios,

Que aos juízos das gentes merecia

Perpétua pena, imensos vitupérios,

Se a Fortuna em contrário o leva e guia,

Mostrando, enfim, que tudo são mistérios,

Em alteza de estados triunfante,

Que, por livre que seja, não se espante?





LUÍS DE CAMÕES, Lírica

Aussois 2009 - par Caliap

Herbie Hancock Feat Corinne Bailey Rae - River



http://www.youtube.com/watch?v=TazdEF9vIAE&feature=player_embedded#!




http://www.youtube.com/watch?v=cw31E42aGrk&feature=watch_response

sábado, 4 de Dezembro de 2010

The Weeping Meadow



http://www.youtube.com/watch?v=8WbdSWIhNtc&feature=player_embedded#!

Onde se prova que as pessoas podem ser felizes para sempre

Crónica Inês Pedrosa no Expresso



Pilar, José e o amor



Onde se prova que as pessoas podem ser felizes para sempre.





O estereótipo de há cinquenta anos rezava: «casaram e foram felizes para sempre». O estereótipo contemporâneo preconiza: «casamento, pantufas, aborrecimento». Um estereótipo não é melhor, nem mais inteligente, do que o outro – a ideia de que os casamentos estão condenados ao tédio só parece mais brilhante do que aquela que toma a felicidade como um dado adquirido porque o pessimismo dá sempre uns fumos de ilustração aos seus praticantes: quem futura em negativo passa facilmente por lustroso cérebro porque há sempre um desastre ao virar da esquina – e muito mais mirones para o desastre do que para a alegria. As relações nascem muitas vezes mortas por falta de fé – falta-nos amor por esse amor que é como uma espécie de terceira entidade gerada pela atracção entre dois seres, e que precisa de ser estimado como milagre concreto.

As pessoas casam-se trocando juras de amor já com os códigos do divórcio e das partilhas debaixo do braço. Ou casam-se ainda no mito da paixão inexpugnável, e depois deixam-se pasmar atarantadas diante dos cacos da paixão misturados com as peúgas de anteontem. Ou casam-se por interesse, isto é: escolhendo, como no supermercado, o pedaço de homem ou mulher que mais garantias dá de criar bem os filhos e de fazer uma boa dupla sócio-económica. Os casamentos «arranjados» desapareceram da civilização ocidental mas são frequentemente substituídos pelos casamentos de conveniência – versão ainda mais triste, porque sonsa, feita de faqueiros e fancaria, dos explícitos arranjos familiares e comerciais de outrora. Ganhámos medo do amor, e o medo amarfanha. A literatura lançou um estereótipo avassalador: o de que o amor só pode ser chamejante em estado de clandestinidade. A experiência das ditaduras, mais ou menos universal, criou um modelo infantil de relação: o do grupo de resistentes bonzinhos que agem pela calada contra a sociedade dos maus. É dessa matéria que são feitos os livros da Enid Blyton e os sonhos da adolescência. A associação absoluta entre o prazer e a clandestinidade mata as alegrias da vida adulta.

O belíssimo filme de Miguel Gonçalves Mendes, «José e Pilar», demonstra que as coisas não têm de ser assim: o amor pode ser público e oficial ( é difícil imaginar uma relação mais pública e oficial do que esta, assumida em duas cerimónias de casamento) e permanecer íntimo, faiscante, vivo. A história do início da relação entre Pilar e José é apenas aflorada por José, para esclarecer que Pilar nunca, ao contrário do que se disse, o entrevistou: telefonou-lhe dizendo que era jornalista, leitora e admiradora sua, e que queria conhecê-lo. José acrescenta que mal a viu chegar percebeu que aquilo era sério. Este abalo imediato e definitivo está descrito de um modo sublime no romance «História do Cerco de Lisboa» – mas isso já não consta do filme. Porque a singularidade deste filme está em começar anos depois do beijo fulgurante que sinaliza a união do par, para nos dar a ver exactamente isso em que nos custa tanto a acreditar: a vida que um amor pode ter, mais de vinte anos depois de ter começado. Pilar e José são duas personalidades fortíssimas, contrastantes, muitas vezes discordantes. A cena em que discutem por causa de Hillary Clinton ( que Pilar defende e José ataca) é exemplar quanto à vivacidade de cada um deles – e desse amor, que não só resiste a todas as discussões como parece alimentar-se delas. A química intensa que se desenha no ar sempre que eles estão juntos – um olhar, uma carícia, um abraço, o corpo de um procurando continuamente o corpo do outro – constitui a pedra de toque deste documentário, de uma imensa delicadeza. «Pilar e José» não é sobre a vida de uma vedeta da literatura ( embora a contenha, inevitavelmente) – é sobre a relação de amor entre duas pessoas particularmente expostas.

José dirá, a dado momento, que se pudesse voltar a viver a sua vida, repeti-la-ia toda, exactamente como foi. Parece estranha, esta afirmação, por parte do mesmo homem que diz: «Se eu tivesse morrido aos 63 anos, antes de conhecer a Pilar, morreria muito mais velho do que aquilo que sou». Na dedicatória das suas memórias de infância ( « As Pequenas Memórias»), José escreveu: «A Pilar, que ainda não havia nascido, e tanto tardou a chegar». Então, porque não diz José que, numa segunda vida, preferiria conhecer Pilar vinte anos mais cedo? Provavelmente, porque vinte anos antes não saberiam fazer durar o amor. Aprende-se a amar

( como a correr ou a desenhar) caindo, falhando, errando muitas e muitas vezes. Até ao momento em que ficamos prontos para ser felizes para sempre. Há é pouca gente para dar por isso.

Falar Global

Todos os meses, para além de aberto à participação de todas as pessoas, o Projecto traz mais convidados que respondem a todas as 30 perguntas. Pessoas que, por uma razão ou por outra, estão em contacto com muitas experiências, muitas outras pessoas e muitos acontecimentos. Mais informações, sempre neste espaço.

1. Até onde é que a inovação tecnológica pode levar a humanidade?

2. Que valores devem orientar a inovação?

3. Que aspecto da nossa vida em colectivo mais necessita de inovação e de que forma?

4. Que novas formas de governação podem resultar das novas tecnologias?

5. Quão objectiva pode ser a ciência se considerarmos o conhecimento humano como tendo uma base subjectiva e emocional?

6. Como ocorre o processo criativo?

7. Qual o papel da expressão artística e da cultura na educação e na aprendizagem ao longo da vida?

8. Quais as principais características da escola do futuro?

9. O que fazer para garantir a toda a população formas de subsistência sustentáveis?

10. O que precisa de mudar no trabalho para que gere mais qualidade de vida?

11. Se a base do desenvolvimento no sec. XX foi o crescimento económico e uma parceria entre empresa, estado e sindicatos, quais os novos fundamentos e actores para sec. XXI?

12. Que novas responsabilidades e papéis devem as empresas portuguesas assumir?

13. O que valorizamos quando consumimos?

14. Qual o futuro do capitalismo?

15. Como pode ser construído um modelo económico que não entre em conflito com os valores humanos e o equilíbrio planetário?

16. Que novas formas organizacionais de comunidade e participação social gostaria de ver surgir em Portugal?

17. Qual o papel do amor e da compaixão no desenvolvimento humano?

18. Como podemos maximizar e aproveitar os talentos de uma sociedade?

19. Que transformações na organização social derivam de uma esperança média de vida que, a prazo, pode ir para além dos 100 anos?

20. Por que parece que a vida fica mais stressante com cada coisa que inventamos para poupar tempo?

21. Como pode o ser humano interagir em harmonia com as cada vez mais sofisticadas conquistas científicas e tecnológicas, sem o correspondente aprofundamento espiritual?

22. Qual o papel das religiões?

23. O que precisamos para alcançar a felicidade?

24. O que se coloca em questão com a manipulação genética do ser humano e a criação de vida artificial?

25. O que estamos a ganhar e o que estamos a perder com o volume cada vez maior de partilha de conhecimento, conteúdos e experiências?

26. Como lidar com o medo?

27. E se tivéssemos mais tempo para sermos livres, criativos e autónomos?

28. Como tornar Portugal num pais consciente na forma como produz e gasta Energia?

29. Qual é a principal aprendizagem que recebeu até hoje?

30. Como pretende contribuir pessoalmente para o futuro de Portugal?



http://www.falarglobal.com/final/ffuturo/


Sigo
http://maddrawing.blogspot.com/

quinta-feira, 2 de Dezembro de 2010

Multimédia RTP

Multimédia RTP

Ciência

"A agência espacial norte-americana NASA descobriu num lago da Califórnia uma forma de vida diferente de todas as conhecidas até agora.


Trata-se de uma bactéria que tem arsénio na sua base química em vez de fósforo, o que até aos dias de hoje nunca tinha sido considerado possível.

"O que eu vos estou a mostrar aqui hoje é um micróbio que faz algo diferente daquilo que estamos habituados. Como bioquímica foi-me ensinado que toda a vida da Terra, que toda a vida de que temos conhecimento, vai de encontro à teoria do pálido ponto azul, de Carla Sagan, e se descobrimos um organismo na Terra que se comporta de maneira diferente, estamos a abrir a porta para as possibilidades de vida no resto do universo”, afirmou Felisa Simon, responsável pela investigação, em conferência de imprensa.

“Este micróbio substitui arsénio por fósforo no seu sistema biomolecular e o que mais poderemos encontrar, que mais poderemos procurar?”, sublinha a cientista.

As formas de vida até agora conhecidas são compostas por seis elementos: carbono, hidrogénio, nitrogénio, oxigénio, enxofre e fósforo.

A bactéria GFAJ-1 foi encontrada por especialistas da NASA nas lamas do lago Mono, no norte da Califórnia, nos Estados Unidos. O lago Mono tem uma elevada concentração de arsénio e é um local hostil para a vida.

Os investigadores descobriram nestas águas tóxicas e salubres da Califórnia uma bactéria que pode substituir o fósforo por arsénio, ao ponto de incorporar este elemento no seu ADN.

A NASA considera que esta descoberta abre a possibilidade de existirem formas de vida em planetas que não têm fósforo na sua atmosfera."

http://earthobservatory.nasa.gov/IOTD/view.php?id=8388


http://www.flickr.com/photos/romsrini/174948980/


http://www.monolake.org/


http://www.monolake.org/today/2010/12/02/mono-lake-and-nasa-just-changed-our-understanding-of-life-on-earth/


http://astrobiology.nasa.gov/

Rui Veloso

Carlos Santana

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=OQfjIw3mivc#!




http://www.youtube.com/watch?v=E8Ov_9sYmuM&feature=player_embedded


http://exiladonomundo.blogspot.com/


http://alentejanaspormedida.blogspot.com/

Elvis



http://www.youtube.com/watch?v=4QmuMD634vU

como se fosse um quadro

fb_c6ae05a415bdcc7c16e49443f91c623f



"Este blog, para o perceberes, tens que não perder de vista que isto é só um blog, nada mais que um blog. Depois, tens que o tratar como se fosse um quadro, tens que te afastar para o perceber no seu todo, aproxima-te só para perceber algum pormenor, mas não te esqueças de que é à distância que entenderás o todo, isto se houver algum todo para entender, porque, afinal, isto não passa de um blog."

via
http://pipocomaissalgado.blogspot.com/



outros lugares

http://roupapratica.blogspot.com/


http://deepzinha.blogspot.com/


http://naopercebiapergunta.blogspot.com/


http://www.duvidascorderosa.blogspot.com/

quarta-feira, 1 de Dezembro de 2010

DEBATE

"THE INTERNET WINE REVOLUTION"



http://wineconversation.com/


http://catavino.net/


http://www.1winedude.com/


http://www.adegga.com/


http://europe.wsj.com/home-page


■Boxed Wine At Its Best

http://www.mywinesdirect.com/



■Here’s to Wine in a Cup http://blogs.wsj.com/

■Just One Thing: Green Your Wine – Go Boxed
http://www.abcnews.go.com/

■Adventures in Alternative Packaging

http://www.wine-by-benito.blogspot.com/



http://www.wine-by-benito.blogspot.com/



■Boxed Wine At Its Best

www.mywinesdirect.com

■Here’s to Wine in a Cup

http://blogs.wsj.com

■Just One Thing: Green Your Wine – Go Boxed

www.abcnews.go.com

■Adventures in Alternative Packaging

http://wine-by-benito.blogspot.com

■Cans, and Tins - what's really in there ? do you know

www.recycledfrockery.com


■Pump Your Own Wine

www.eatdrinkbetter.com

■The Gloss 10: Our Favorite Wine Products To Help You Through The Holidays www.thegloss.com


■Marks & Spencer Does Wine in a Glass

www.luxist.com


■Tipsy Wine Testing Glass by Alvaro Uribe

www.design-milk.com

Vinho Português





http://catavino.net/


Doug Frost from Ryan and Gabriella Opaz on Vimeo.




http://www.1winedude.com/